Como é feita a cirurgia de via lacrimal

Compartilhe este artigo com seus amigos e familiares

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Para entender como é feita a cirurgia de via lacrimal, é preciso, primeiro, compreender de onde vêm as lágrimas e como são produzidas.

As lágrimas são feitas por pequenas glândulas acima dos nossos olhos, chamadas glândulas lacrimais. Há uma glândula acima de cada olho; cada um produz lágrimas que viajam pelo olho através de pequenos tubos, chamados ductos. Há vários desses ductos lacrimais atrás das pálpebras superiores.

Nossos dutos lacrimais estão constantemente produzindo lágrimas, para manter nossos olhos limpos e úmidos, mas geralmente nem percebemos. Quando piscarmos, limpamos o fluido lacrimal sobre os olhos, mantendo-os úmidos. Este fluido é então drenado dos olhos através de mais ductos. É só quando começamos a produzir muito mais lágrimas que começamos a notá-las, pois os dutos que drenam o fluido não conseguem lidar com todas as lágrimas extras.

E do que as lágrimas são feitas?

As lágrimas são basicamente feitas de água levemente salgada. Eles também contêm enzimas que matam bactérias e vitaminas e minerais. Algumas lágrimas contêm proteínas, chamadas hormônios, que podem mudar a maneira como nos sentimos.

Os componentes básicos das lágrimas são:

  • Água;
  • Eletrólitos (sódio, potássio, cloreto, bicarbonato, magnésio e cálcio). É isso que dá lágrimas ao gosto salgado;
  • Proteínas (lisozima, lactoferrina, lipocalina e IgA). As lágrimas têm apenas cerca de um décimo da proteína do plasma sanguíneo;
  • Lipídios.

Entendendo a via lacrimal

Quando você tem um ducto lacrimal obstruído, suas lágrimas não podem drenar normalmente, e você acaba ficando com um olho aguado e irritado. A condição é causada por uma obstrução parcial ou completa no sistema de drenagem de lágrimas.

Um ducto lacrimal bloqueado é comum em recém-nascidos. A situação geralmente melhora sem qualquer tratamento durante o primeiro ano de vida. Nos adultos, um canal lacrimal bloqueado pode ser devido a uma lesão, uma infecção ou até mesmo um tumor.

Um canal lacrimal bloqueado é quase sempre corrigível. O tratamento depende da causa do bloqueio e da idade da pessoa afetada.

As vias lacrimais bloqueadas podem acontecer em qualquer idade. Podem até estar presentes no nascimento (congênitas) como já citamos neste artigo. As causas podem ser:

Bloqueio congênito: muitos bebês nascem com um ducto lacrimal bloqueado. O sistema de drenagem de lágrimas pode não estar totalmente desenvolvido ou pode haver uma anormalidade do ducto. Muitas vezes, uma fina membrana tecidual permanece sobre a abertura que deságua no nariz (ducto nasolacrimal).

Mudanças relacionadas à idade: à medida que você envelhece, as pequenas aberturas que drenam as lágrimas (puncta) podem ficar mais estreitas, causando o bloqueio.

Infecção ou inflamação: infecção crônica ou inflamação dos olhos, sistema de drenagem de lágrimas ou nariz pode causar o bloqueio dos canais lacrimais.

Lesão ou trauma: uma lesão no rosto pode causar danos ósseos ou cicatrizes perto do sistema de drenagem, interrompendo o fluxo normal de lágrimas pelos ductos. Mesmo pequenas partículas de sujeira ou células soltas da pele alojadas no duto podem causar obstrução.

Tumor: um tumor no nariz ou em qualquer lugar ao longo do sistema de drenagem de lágrimas pode causar obstrução.

Colírio: raramente, o uso prolongado de certos medicamentos, como os colírios usados para tratar o glaucoma, pode causar um ducto lacrimal bloqueado.


Sinais e sintomas de um ducto lacrimal bloqueado incluem:

  • Vermelhidão da parte branca do olho
  • Infecção ocular recorrente ou inflamação (olho rosa)
  • Inchaço doloroso perto do canto interno do olho
  • Crostas das pálpebras
  • Muco ou pus de descarga das pálpebras e superfície do olho
  • Visão embaçada

Diagnóstico

É muito importante diagnosticar corretamente qual parte do sistema de drenagem da lágrima está bloqueada para determinar o tratamento adequado.

Para diagnosticar sua condição, seu médico fala com você sobre seus sintomas, examina seus olhos e faz alguns testes. Ele também examinará o interior do nariz para determinar se algum distúrbio estrutural das vias nasais está causando uma obstrução.

Testes usados ​​para diagnosticar um canal lacrimal bloqueado incluem:

Teste de drenagem da lágrima: este teste mede a rapidez com que suas lágrimas estão drenando. Uma gota de um corante especial é colocada na superfície de cada olho. Você pode ter um canal lacrimal bloqueado se, após cinco minutos, a maior parte do corante ainda estiver na superfície do olho.

Irrigação e sondagem: seu médico pode lavar uma solução salina através de seu sistema de drenagem de lágrimas para verificar quão bem ela está drenando. Ou ele ou ela pode inserir um instrumento fino (sonda) através dos orifícios de drenagem minúsculos no canto da sua tampa (puncta) para verificar se há bloqueios. Em alguns casos, essa análise pode até resolver o problema.

Testes de imagem ocular: para estes procedimentos, um corante de contraste é passado do puncta no canto da sua tampa através do seu sistema de drenagem de lágrimas. Em seguida, imagens de raio-X, tomografia computadorizada ou ressonância magnética são tomadas para encontrar a localização e a causa do bloqueio.

Cirurgia

O procedimento cirúrgico chamado de DCR – Dacriocistorrinostomia é comum para tratar as vias lacrimais. Durante o procedimento um buraco é criado entre o saco lacrimal e o interior do nariz, ou seja, esse método abre a passagem para as lágrimas escorrerem do nariz novamente.

O DCR é um procedimento rápido e seu médico avaliará se este será feito sob anestesia geral ou sedação leve.

As etapas deste procedimento variam, dependendo da localização exata e da extensão do bloqueio, bem como da avaliação do cirurgião.

Externo: com a dacriocistorrinostomia externa, o cirurgião faz uma incisão no lado do nariz, perto de onde o saco lacrimal está localizado. Depois de conectar o saco lacrimal a sua cavidade nasal e colocar um stent na nova passagem, o cirurgião fecha a incisão da pele com alguns pontos.

Endoscópica ou endonasal: com este método, seu cirurgião usa uma câmera microscópica e outros pequenos instrumentos inseridos através da abertura nasal para o seu sistema de dutos. Este método não requer incisão, por isso não deixa cicatriz. Mas as taxas de sucesso não são tão altas quanto com o procedimento externo.

Consulte sempre um oftalmologista especializado para diagnosticar a sua saúde ocular.

4.8/5 - (1059 votes)