Como funciona a cirurgia para reparação de descolamento de retina

Compartilhe este artigo com seus amigos e familiares

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Esse é um problema grave em que ocorre o descolamento da retina neurossensorial do epitélio pigmentado, podendo provocar a perda de visão e até cegueira.

Sabemos que a nossa retina tem um papel muito importante para nossa visão. Sendo uma fina camada de tecido, sensível à luz, localizada na parte mais interna do olho. O sistema óptico do olho foca a luz na retina, recebendo as imagens e enviando-as para o cérebro, através do nervo óptico sob a forma de impulsos nervosos.

Tipos de descolamento de retina 

Por mais que seja um nome simples, o descolamento de retina contém algumas variações como:

  • Regmatogênico;
  • Seroso;
  • Exsudativo;
  • Tradicional.

Descolamento de retina regmatogênico 

O descolamento de retina regmatogênico ocorre devido a uma ruptura na retina (rachadura na retina) que permite ao vítreo passar para o espaço sub retiniano (entre a retina sensorial e o epitélio pigmentado da retina).

As rupturas retinianas podem ser divididas em três tipos: buraco na retina, rasgo ou rasgadura na retina e diálise na retina. Os buracos na retina formam-se devido à atrofia da retina, especialmente numa área de degenerescência lattice. As diálises são muito periféricas e circunferências, e podem ser causadas tanto por tração como por atrofia. A forma atrófica ocorre com mais frequência como diálise idiopática do jovem.

Descolamento seroso exsudativo da retina

O descolamento seroso ou exsudativo da retina ocorre devido à inflamação, lesões ou anormalidades vasculares que resultam na acumulação de fluido sob a retina sem a presença de um buraco ou rasgadura. 

Na avaliação do descolamento da retina é fundamental excluir a hipótese de descolamento exsudativo porque este tipo não possui indicação cirúrgica. Embora seja raro, o descolamento exsudativo pode ser causado por um tumor sub retiniano, ou seja, localizado na coróide. 

Descolamento da retina tracional 

O descolamento da retina tracional ocorre quando o tecido fibroso ou fibrovascular, causado por inflamação ou neovascularização, repuxa a retina sensorial, separando-a do epitélio pigmentado da retina.

Alguns descolamentos da retina resultam de traumatismos, incluindo os da órbita e os cranianos.

Sintomas no descolamento da retina

Estar atento aos sintomas de descolamento de retina é essencial, caso contrário podem ocorrer sérios danos na visão que podem, em último caso, levar à cegueira.

O descolamento de retina é indolor, mas há sinais e sintomas de alerta que quase sempre aparecem antes do descolamento ocorrer ou avançar.

Os sintomas de descolamento de retina podem incluir a percepção de corpos flutuantes – pequenos pedaços de detritos no campo de visão que se parecem com manchas, pelos, aranhas ou moscas que parecem flutuar na frente dos olhos. A maioria dos pacientes referem-se a estas manchas como “moscas volantes”.

Outro dos sintomas frequentes no descolamento da retina é a percepção de “flashes de luz” no olho afetado. Este fenômeno é chamado de fotopsia.

Outro dos sintomas frequentes é a percepção de uma sombra ou cortina no campo visual que vai aumentando à medida que o descolamento progride e finalmente ocorre a perda de visão central.

Causas no descolamento da retina

As causas do descolamento de retina podem ser várias, como: 

  • Buraco na retina;
  • Envelhecimento ou distúrbios da retina, que podem originar áreas mais finas favorecendo a formação de buracos;
  • Rasgaduras da retina.

Fatores de risco 

São fatores de risco de descolamento de retina:

  • Envelhecimento – o descolamento de retina aumenta nas pessoas com mais de 40 anos de idade;
  • Descolamento de retina anterior num dos olhos;
  • Um histórico familiar de descolamento de retina;
  • Retinopatia diabética;
  • Glaucoma;
  • Alta miopia;
  • Cirurgia ocular anterior, como cirurgia de catarata;
  • Lesão ocular grave ou trauma;
  • SIDA;
  • Eclâmpsia;
  • Homocistinúria;
  • Hipertensão maligna;
  • Retinoblastoma;
  • Tabagismo ativo e passivo;
  • Síndrome de Stickler;
  • Doença de bom Hippel-Lindau.

O descolamento de retina pode ser prevenido, em alguns casos, quando os sinais de alerta são identificados prematuramente.

Descolamento de retina tem cura?

Embora grave, o descolamento de retina tem cura com o tratamento adequado.

Saiba, em seguida, como tratar o descolamento de retina.

Tratamento do descolamento de retina

O tratamento para descolamento de retina é sempre cirúrgico. O tipo de técnica cirúrgica depende do tipo de descolamento. Conheça de seguida cirurgia. 

Cirurgia no descolamento de retina

Na cirurgia de descolamento de retina existem vários processos de tratamento, tendo todos eles como denominador comum encontrar e proteger as rasgaduras e buracos na retina. Todos os procedimentos cirúrgicos seguem os mesmos princípios gerais, a saber:

  • Identificar rupturas na retina;
  • Proteger todas as rupturas retinianas;
  • Aliviar o presente (e futuro) de tração vítreo-retiniana.

Conheça, em seguida, os procedimentos cirúrgicos mais utilizados.

Fotocoagulação a laser, criopexia

A criopexia (congelamento) ou fotocoagulação a laser são usadas, ocasionalmente, com o propósito de barrar uma pequena área de descolamento de retina, rasgadura ou buraco para que o descolamento de retina não se dê ou não aumente.

Indentação escleral

A indentação escleral é um tratamento cirúrgico no qual o cirurgião coloca uma ou mais fitas de silicone na esclera. Estas fitas servem para empurrar (indentar) a esclera para dentro contra a rasgadura ou buraco da retina, fechando, assim, a ruptura ou reduzindo o fluxo de fluido que passa através dele, reduzindo consequentemente o efeito de tração vítrea, permitindo desse modo a aplicação da retina. A crioterapia (congelamento) é aplicada ao redor das rupturas retinianas antes de colocar a fita. Por vezes, o fluido sub retiniano é drenado para permitir a aplicação da retina.

O efeito colateral mais comum resultante da colocação da fita de silicone é a indução de miopia, isto é, o olho operado será mais míope após a operação.

Retinopexia

A retinopexia é, geralmente, realizada sob anestesia local. É um método de tratamento de alguns descolamentos de retina, em que uma bolha de gás (gás SF6 ou C3F8) é injetada dentro do olho. A cabeça do paciente é, em seguida, posicionada de modo que a bolha bloqueie o orifício da retina. A tensão superficial do  gás/ liquido veda a rasgadura retiniana, permitindo que o epitélio pigmentado da retina bombeie o líquido do espaço sub retiniano.

Este procedimento é, geralmente, acompanhado de fotocoagulação laser. A retinopexia tem taxas de sucesso significativamente mais baixas em comparação com a cirurgia de fita de silicone e vitrectomia. Alguns casos de sucesso inicial irão falhar nas semanas e meses após a cirurgia.

Vitrectomia

A vitrectomia é um dos tratamentos cada vez mais utilizado em descolamentos de retina. A remoção do gel vítreo é, vulgarmente, combinado com enchimento do olho com uma bolha de gás (gás SF6 ou C3F8), BSS ou óleo de silicone. Uma das vantagens de usar o gás nesta operação prende-se com o fato de não haver indução de miopia e o gás ser absorvido após algumas semanas.

O óleo de silicone pode ser usado em certas situações e é removido após um período de 2-8 meses, caso seja necessário. O óleo de silicone é, normalmente, mais utilizado em casos associados à proliferação vítreo-retinopatia (PVR). A desvantagem da vitrectomia é conduzir à progressão mais rápida de catarata no olho operado.

A vitrectomia é a operação mais realizada para o tratamento de descolamento de retina sendo que 85% dos casos são tratados com sucesso apenas com uma cirurgia e os 15% restantes requerem duas ou mais operações. A recuperação visual demora algumas semanas, pois a acuidade visual pode não ser tão boa como era antes do descolamento, particularmente, se a mácula estava envolvida na área do descolamento.

Pós operatório e recuperação

Com as cirurgias modernas de micro incisões, mais de 90% das pessoas com descolamento de retina podem ser tratadas com sucesso logo na primeira intervenção, embora, por vezes, seja necessária uma segunda intervenção. O resultado visual nem sempre é previsível. O resultado visual final pode demorar vários meses até ser conhecido. Mesmo sob as melhores técnicas e após várias tentativas de aplicar/ colar a retina, o tratamento pode falhar e a visão pode, eventualmente, ser perdida.

Os resultados visuais são melhores se o descolamento da retina for reparado antes de ocorrer o descolamento da mácula. É, por isso, que é importante entrar em contato com urgência com um médico oftalmologista, se visualizar “moscas volantes” e/ou flashes de luz ou uma cortina escura no campo visual.

Para maiores informações sobre essa e outras doenças oculares, entre em contato conosco.