Dilatação de Pupila – O que é e quando é indicada

Compartilhe este artigo com seus amigos e familiares

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Os colírios para dilatar as pupilas contém substâncias que fazem aumentar o diâmetro das mesmas. Existem, basicamente, dois tipos de colírios dilatadores (midriáticos): um que estimula a contração dos músculos que fazem a pupila aumentar (como a fenilefrina) e outro tipo que faz os músculos responsáveis pela contração da pupila relaxarem (como o ciclopentolato). A tropicamida também pode ser usada para dilatar as pupilas.

Por que é preciso dilatar as pupilas?

Com as pupilas dilatadas, o oftalmologista conseguirá realizar um exame mais completo do fundo dos olhos e, assim, diagnosticar doenças que podem afetar a visão. 

Com a pupila em miose (no estado normal), seria como se ele tentasse ver uma sala através do buraco da fechadura. Poderia ver algumas coisas, mas não muito detalhadamente e alguns pontos do fundo dos olhos ficam difíceis de enxergar. 

Por isso, o médico pode usar alguns colírios específicos para manter a pupila dilatada, para ver com clareza o fundo do olho.

Além disso, com as pupilas “paralisadas” o exame para verificar o grau dos óculos (exame de refração), em crianças, ficará muito mais preciso.

Quanto tempo dura o efeito da dilatação?

Entre 3 e 24 horas, dependendo da substância aplicada, da concentração do medicamento e da suscetibilidade de cada indivíduo.

Quais são os efeitos colaterais da dilatação de pupilas?

Os principais efeitos são fotofobia (sensibilidade à luz) e dificuldade de visão (principalmente para perto). Esses dois sintomas desaparecem gradualmente. Usar óculos escuros após o exame oftalmológico ajuda a diminuir o desconforto. 

Reações alérgicas são raras e incluem “inchaço” nas pálpebras e hiperemia conjuntival (“olho vermelho”).

Faça esse exame de forma rotineira

O ideal é que o paciente se submeta ao exame de fundo de olho ao menos uma vez ao ano, se não tiver nenhum problema de saúde. Se tiver, a visita ao oftalmologista deve se repetir mais vezes.

Por isso é importante que o paciente se consulte com um oftalmologista periodicamente, para que seja orientado quanto  necessidade de novos exames e, em último caso, diagnosticar e tratar doenças com tempo hábil para que não haja danos irreversíveis.