O que é Catarata congênita? Existe tratamento?

Compartilhe este artigo com seus amigos e familiares

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

O que é catarata congênita?

Se o nosso cristalino, ou seja, a lente natural de nossos olhos for opaca e/ou turva, é sinal que temos a doença ocular, chamada catarata. No caso da catarata congênita, a doença se faz presente no nascimento ou se forma durante o primeiro ano de um bebê.

A visão pode ser prejudicada e como solução, os pais, de acordo com os médicos, podem recorrer à cirurgia para a remoção da catarata. Nem todas as cataratas congênitas requerem remoção cirúrgica, mas muitas delas sim, e a doença pode se desenvolver se a mãe tiver uma infecção durante a gravidez, por exemplo, ou se caso a mesma tiver ingerido álcool ou drogas durante a gestação.

Na maioria das vezes a doença é detectada quando a criança é examinada ao nascer, antes mesmo de sair do hospital. Outros casos são detectados por pediatras através de exames e em alguns podem ser também percebidos pelos pais. Eles são frequentemente notados como um teste de reflexo vermelho em exames de triagem pediátrica.


A catarata adquirida é diagnosticada com mais frequência em exames de visão pelo pediatra ou após uma lesão no olho, de qualquer forma, estar em dia com os exames dos filhos é essencial para saúde ocular. Dê preferência em consultar um oftalmologista no primeiro ano do seu filho.

Os pais devem prestar atenção para sinais da doença em bebês e em crianças. Listamos alguns sintomas abaixo:

  • A criança pode não olhar diretamente para um ponto ou não responder a rostos ou objetos grandes e coloridos. Uma criança que não consegue encontrar pequenos objetos quando está engatinhando pode ter catarata;
  • A criança pode apresentar proteger os seus olhos quando sob luz solar intensa. Isso acontece por causa do brilho refletido nos olhos causado por uma catarata;
  • Os olhos da criança podem estar desalinhado e não se concentrarem em um mesmo ponto ao mesmo tempo (estrabismo);
  • Os olhos com a catarata congênita podem ter movimentos errantes repetitivos (nistagmo), o que geralmente é um sinal tardio de cataratas. Este sinal pode não se desenvolver até que o bebê já tenha feito alguns meses, e nesse caso a remoção da catarata, provavelmente, não vai corrigir toda a perda de visão nesse ponto.

Se acaso notar sinais de que seu bebê ou a criança pode não estar vendo bem, consulte o médico. A catarata em crianças deve ser tratada imediatamente.

Qual melhor momento para a realização de uma cirurgia?

O melhor momento para intervir e remover uma catarata congênita visualmente significativa do olho de um bebê, não existe um consenso.

Essa decisão deve ser feita individualmente, analisando caso a caso de cada paciente.

Outros fatores também são analisados, como: o grau da catarata, se a patologia é bilateral ou unilateral, depende da condição de cada paciente que muitas vezes possuem alterações em outros órgãos, entre outros.

Se detectarmos a doença precocemente, os resultados podem ser mais expressivos. Na catarata congênita, a lente de um olho deve estar clara para focar as imagens que ela enxerga na retina, que então transmite as imagens para o cérebro. A doença pode impedir que a luz alcance a retina ou cause a dispersão dos raios de luz ao passarem pela nebulosidade, distorcendo a imagem da retina.

Tratando-se de uma conexão olho-cérebro, imagine uma criança, cujos olhos e cérebro ainda estão aprendendo a enxergar,  a distorção pode levar a um olho preguiçoso, doença conhecia como ambliopia.

E qual tratamento para a Catarata congênita?

Sem o tratamento adequado, as cataratas pediátricas podem causar conexões anormais entre o cérebro e o olho, e uma vez feitas, essas conexões são irreversíveis.

Para a maioria das crianças, a cirurgia é apenas o primeiro passo para reabilitar os olhos, e o tratamento deve reparar as conexões olho-cérebro. Isso envolve ensinar aos olhos como se concentrar corretamente, ou seja, exercitar os olhos.

O tratamento da catarata pediátrica pode variar dependendo do tipo e da gravidade, e crianças que recebem tratamento e mais o acompanhamento adequado têm um bom resultado. As opções para o tratamento da catarata em crianças dependem de como a doença está interferindo com o desenvolvimento da visão normal.

Resultados bem sucedidos podem exigir anos de reabilitação visual individualizada. Consulte-nos, estamos à disposição para auxiliar seu filho no tratamento do incio ao fim.

4.8/5 - (45 votes)