Teste de sensibilidade ao contraste: O que é?

Compartilhe este artigo com seus amigos e familiares

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Nossa visão é o resultado de um mecanismo complexo onde a acuidade visual é um fator muito importante, mas relativamente limitado, havendo outros componentes que permitem complementar a sua caracterização, tais como a sensibilidade ao contraste, a visão cromática e a estereopsia. 

Para isso iremos te explicar o que é o Teste de Sensibilidade ao Contraste e o porquê dele ser tão importante para detecção precoce de inúmeras patologias.  

O que é o Teste de Sensibilidade ao Contraste?

O Teste de Sensibilidade de Contraste foi desenvolvido pelo Dr. Arthur Ginsburg e utiliza grades sinusoidais, as quais medem canais visuais específicos, assim avaliando a capacidade de diferenciar as tonalidades das cores, como alterações comuns em doenças oculares da córnea, catarata ou doenças degenerativas da retina. Resumidamente, o exame tem como objetivo analisar a qualidade da visão em diferentes níveis de iluminação ou de contraste, através de projeções de imagens. 

Lembre-se! 

Essa avaliação não deve ser usada como o único critério para o diagnóstico e tratamento, pois há variações que podem ser causadas devido a alguma alteração comum (astigmatismo ou erros refracionais) ou não devem ser relacionadas a um distúrbio óptico, neurológico ou qualquer outra patologia.

Como é feito o exame?

Sendo um exame indolor, é realizado em um ambiente de baixa iluminação que exige muito da colaboração do paciente. Assim que iniciado o exame é pedido ao paciente que leia as menores letras possíveis em uma tabela, assim ao decorrer do teste o contraste vai diminuindo gradativamente, avaliando-se a capacidade de o paciente em ver com a diminuição do contraste. 

Para quem é indicado este exame?

Este exame é indicado para pacientes que apresentam sensibilidade à luz relacionada a algumas alterações ópticas como: 

  • Erros refrativos; 
  • Catarata;
  • Glaucoma;
  • Degeneração macular; 
  • Retinopatia diabética; 
  • Neuropatias ópticas; 
  • Ambliopia; 
  • Adenoma pituitário; 
  • Alterações causadas por substâncias ilícitas ou álcool. 

Quais as orientações para realização do exame?

Para realização do exame é necessário trazer os óculos, de preferência o mais recente. O exame não é invasivo e não contém contra-indicações, riscos e não é necessário o uso de colírios.É de extrema importância que você cuide bem da saúde dos seus olhos. Nós, da Pró-Visão possuímos uma alta gama de exames com equipamentos de alta tecnologia e profissionais capacitados, tudo isso para o melhor atendimento aos nossos clientes!