Catarata congênita: antecedentes, fisiopatologia e epidemiologia

Compartilhe este artigo com seus amigos e familiares

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Catarata congênita: antecedentes, fisiopatologia e epidemiologia

Catarata congênita é a opacificação do cristalino presente ao nascimento ou logo após o mesmo. Ou seja, uma catarata é a nebulosidade na lente do olho. Isso significa que a lente não é mais transparente. A lente está localizada atrás da íris (a parte colorida do olho) e concentra os raios de luz na retina. A retina é a camada interna na parte de trás do olho. Para que um indivíduo seja capaz de enxergar, a luz passa através da lente transparente para a retina.

O que causa a maioria das cataratas é desconhecido. Sabemos que alguns fatores predisponentes para a catarata congênita podem incluir uma história familiar de distúrbios genéticos, como trissomia 13, trissomia 21, síndrome da displasia ectodérmica, rubéola congênita ou por algumas doenças maternas durante o período gestacional.

As crianças podem ter catarata em um olho (unilateral) ou ambos (bilateral). A maioria das crianças com catarata em apenas um olho geralmente tem boa visão no outro.

Existem muitos tipos de catarata. Alguns afetam a visão e outros nunca. Uma catarata localizada em direção ao centro da lente tem maior probabilidade de afetar o desenvolvimento da visão e do sistema visual do que a que está ao redor da borda da lente, embora isso dependa do seu tamanho e da densidade da catarata.

A maior parte das cataratas são invisíveis até se tornarem densas o suficiente para causar perda de visão. Quando a lente se torna turva, ela engrossa e a pupila aparece branca. Catarata congênita pode variar em densidade. Se a catarata não for suficientemente densa para interferir na visão, ela pode não precisar de tratamento. Quem determinará se há ou não a necessidade de tratamento é o oftalmologista.

Para diagnosticar a catarata congênita, o oftalmologista examinará os olhos da criança com um instrumento chamado oftalmoscópio. Antes do exame, as pupilas dos olhos têm que ser dilatadas com colírios para visualizar a lente e a retina adequadamente.

Alguns outros testes e exames usados no diagnóstico de catarata congênita podem incluir:

  • Exame físico completo com histórico médico abrangente (dos pais).
  • Um exame oftalmológico completo realizado por um oftalmologista.
  • Um exame da criança por um especialista em crianças (como um pediatra) com experiência no tratamento de doenças genéticas.
  • Ao exame físico por um profissional de saúde, testes adicionais podem ser necessários para o diagnóstico, como exames de sangue ou radiografias.
  • Testes diagnósticos para avaliar distúrbios genéticos subjacentes, se houver, podem ser realizados.

Em geral, o prognóstico da catarata congênita é bom. No entanto, o parecer geral depende da gravidade dos sinais e sintomas subjacentes que causam a catarata congênita. Quando detectada precocemente, a catarata em crianças pode ser removida por meio de um procedimento cirúrgico seguro e eficaz, o que melhora o prognóstico. Após a cirurgia de remoção de catarata, a criança pode precisar de sessões de reabilitação visual para aumentar a probabilidade de um excelente prognóstico.

Após a cirurgia, um pequeno número de crianças pode desenvolver uma complicação ocular, como:

  • Glaucoma. Problemas com um acúmulo de pressão ocular que geralmente pode ser controlado com colírio, mas em alguns casos pode precisar de cirurgia para tratar.
  • Infecção ocular. Gotas de antibióticos normalmente protegem contra infecções. Se uma infecção ocular séria e rara chamada endoftalmite se desenvolve, então ela pode ameaçar a visão naquele olho. No entanto, geralmente esse tipo de infecção grave pode ser detectado e tratado.
  • Descolamento da retina. Se a retina separada da parte de trás da cirurgia ocular fosse dada o mais rápido possível para colocar a retina de volta no lugar.
  • O estrabismo pode se desenvolver se os olhos não estiverem funcionando adequadamente juntos. Óculos, remendos e, ocasionalmente, cirurgia podem ser dados para ajudar.
  • Ambliopia (olho preguiçoso) (que também é mencionado anteriormente nesta ficha informativa). A ambliopia pode se desenvolver quando o cérebro se desliga do olho com uma visão pior e apenas liga o olho com a melhor visão.

Conheça e saiba identificar alguns sintomas da catarata

  • Glare – o mesmo efeito que os faróis do carro através de um para-brisas sujo à noite.
  • Uma pupila branca conhecida como leucocoria – isso se deve à catarata que se manifesta através da pupila. A pupila é apenas um orifício ou abertura que permite que a luz entre no olho.
  • Visão ruim – a luz não está passando pela lente, porque não é mais transparente.
  • Uma reviravolta pode se desenvolver. Isso é chamado de estrabismo ou estrabismo. Um “giro” ocorre porque o olho não consegue se concentrar adequadamente.
  • Pode haver falta de brilho de pupila de olhos vermelhos nas fotografias, devido à opacidade da lente do olho.
  • Algumas crianças podem apresentar sinais e sintomas de movimentos oculares rápidos incomuns, também conhecidos como nistagmo.

Visite um médico oftalmologista regularmente e mantenha seus exames em dia.