Conheça a vitrectomia: a cirurgia de retina mais utilizada atualmente

Compartilhe este artigo com seus amigos e familiares

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

A vitrectomia nada mais é do que um procedimento cirúrgico realizado por um médico especialista onde o gel vítreo que preenche a nossa cavidade ocular é removido para proporcionar melhor acesso à retina. 

O procedimento permite uma variedade de reparações, incluindo a remoção de tecido cicatrizado, a reparação a laser de descolamentos de retina e o tratamento de buracos maculares. Uma vez que a cirurgia esteja completa, uma solução salina, uma bolha de gás ou óleo de silicone podem ser injetados no gel vítreo para ajudar a manter a retina em posição.

Para exemplificar, existem diferentes tipos de procedimentos de vitrectomias, como mencionadas abaixo:

Vitrectomia Posterior Plans Plana: O material vítreo serve como uma estrutura ou um suporte para as camadas do olho de um recém-nascido durante o desenvolvimento. Em olhos normais, o vítreo é cristalino durante toda a vida adulta e preenche o olho da frente ou anterior (íris-lente) para as costas ou posterior (nervo óptico). 

Esta área compreende dois terços do volume do olho e é chamada de cavidade vítrea, que juntamente com a retina, o epitélio pigmentar da retina, coróide e esclera, compõem o segmento posterior.

Um procedimento de vitrectomia realizada para doenças do segmento posterior é chamada de vitrectomia posterior. Esse tipo de vitrectomia é realizado apenas por um oftalmologista especialista em retina.

A Vitrectomia Anterior: Em casos raros, o gel vítreo passa através da pupila para a câmara anterior (frontal) do olho. Isso pode acontecer nos casos:

  • Após trauma ocular (lesão);
  • Durante cirurgia complexa de catarata, córnea ou glaucoma;
  • Como resultado de problemas de lentes.

Como o vazamento desse gel vítreo pode levar a problemas futuros, uma vitrectomia anterior pode ser realizada para minimizar o risco e promover a recuperação visual. 

Alguns fatos sobre a cirurgia de vitrectomia: 

O cirurgião especialista de retina opta sempre pelo melhor equipamento para usar em cada caso a partir de uma ampla variedade de instrumentação de vitrectomia. Desde que as primeiras vitrectomias que foram realizadas na década de 1970, a tendência tem sido em direção a equipamentos microcirúrgicos menores e mais finos.

Muitos procedimentos de vitrectomia atualmente podem ser realizados com incisões auto-selantes, sem sutura (sem ponto), aproximadamente metade de um milímetro de tamanho, que é aproximadamente a largura de um cílio, por exemplo. 

Embora tenha algumas limitações, a cirurgia de vitrectomia de pequeno calibre é geralmente considerada mais confortável do que a cirurgia com instrumentos maiores e oferece uma recuperação ocular mais rápida em muitos casos.

Eletrocardiograma, pressão arterial e sensores de oxigênio ficam no espaço cirúrgico para monitorar os sinais vitais do paciente e a saúde. O olho é anestesiado para que o paciente fique confortável durante o procedimento, e essa sedação, comumente chamada de sono crepuscular ou, em casos raros, anestesia geral, pode ser usada para relaxamento adicional.

O olho é preparado com solução anti-séptica e uma cobertura estéril é aplicada, então um espéculo palpebral é usado para manter o olho operatório aberto. O outro olho é coberto e protegido. 

Normalmente, o olho dilatado é penetrado pela pars plana, uma zona segura na parte branca do olho ou esclera. Portanto, esse procedimento é chamado de vitrectomia pars plana. Um microscópio cirúrgico com uma lente especial permite uma visão ampla do interior do olho, bem como uma visão ampliada e detalhada.

O oftalmologista cirurgião utiliza uma sonda de vitrectomia para cortar e remover delicadamente o vítreo semelhante a um gel.

Mas quando é recomendada uma vitrectomia? 

Existem 5 razões principais para realizar a vitrectomia, ou uma vitrectomia mais outros procedimentos:

  • Opacidade vírica bloqueadora de visão (turvação);
  • Condições causadas por puxões anormais na retina;
  • Condições que necessitam de cirurgia na retina ou associadas;
  • Para diagnosticar uma condição vitreorretiniana (vitrectomia diagnóstica);
  • Hemorragias vítreas extensas e densas.

E após a cirurgia, o que esperar do pós-operatório?

Após o procedimento o olho é protegido para evitar que algo entre nos ferimentos. Se uma bolha de gás ou óleo de silicone tiver sido usado para tratar o olho, seu cirurgião lhe dará instruções sobre como fazer qualquer posicionamento necessário (como virado para baixo) e por quanto tempo você deve continuar.

A bolha de gás serve para pressionar a retina de volta à sua posição normal e segurá-la até o olho cicatrizar. Como a sedação usada geralmente é leve os pacientes se sentem bem e estão prontos para partir para casa em uma hora ou menos. De qualquer forma o mesmo precisará de um responsável para dirigir até em casa.

Quando o paciente retorna ao consultório do médico um dia após a cirurgia, é aconselhável ter também uma pessoa responsável para ajudá-lo até que sua visão tenha retornado o suficiente para que o paciente mesmo possa dirigir. .

A manutenção do posicionamento da cabeça e dos olhos após uma vitrectomia envolvendo uma bolha de gás ou óleo de silicone é uma maneira muito importante de contribuir para o sucesso de sua cirurgia ocular.

Na sua primeira consulta pós-operatória, o médico deverá revisar as instruções de uso de medicações, gotas, posicionamento, uso do tapa-olho e atividades gerais. 

Não deixe de consultar sempre um oftalmologista para avaliar o seu caso.