Glaucoma: o que é, sintomas, causas, e tratamento

Compartilhe este artigo com seus amigos e familiares

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

O que é? 

O Glaucoma é uma doença ocular que atinge o nervo óptico, que envolve a perda de células da retina, e leva a um dano irreversível das fibras nervosas, que são responsáveis por enviar impulsos nervosos ao cérebro e consequentemente, a perda de campo visual. Contudo por ser uma doença que não tem cura, existem diversos tratamentos, para os diversos tipos de glaucoma e suas características.

Confira os tipos de glaucoma:

  • Glaucoma de ângulo Aberto:

O Glaucoma de ângulo aberto é causado por uma lenta progressiva obstrução dos canais de drenagem do olho, o que provoca um incremento na pressão intraocular. Neste caso, este tipo é mais comum e a grande maioria dos pacientes desenvolvem esse tipo de doença.

Incrivelmente, ele não apresenta sintomas, mas com a compressão do nervo óptico, acontece a perda de visão seja progressiva ou até mesmo o ponto de ser irreversível se não for tratado.

  • Glaucoma de ângulo Fechado:

O Glaucoma de ângulo fechado é a possibilidade menos comum. Nele, a pressão aumenta abruptamente quando a saída de humor aquoso é bloqueada de maneira repentina. Isso causa sintomas imediatos e que exigem cuidados emergenciais.

  • Glaucoma congênito:

Por mais que seja rara, existe a possibilidade dessa doença aparecer de maneira congênita. Como o próprio nome indica, a criança nasce com a doença, que decorre do aumento de pressão intraocular ainda na formação do feto.

Sintomas

Seu principal sintoma é a perda de visão periférica no início. De começo a perda é sutil, e pode não ser percebida. Mas com tempo pode haver perdas moderadas ou severas, notadas pelo paciente. Por mais que se desenvolva lentamente, alguns sintomas podem surgir, variando de acordo com o tipo de doença. 

Confira: 

  • Glaucoma de ângulo aberto:
  • Perda gradual da visão periférica lateral, também denominada visão tubular.

  • Glaucoma de ângulo fechado:
  • Dor grave e súbita em um olho;
  • Visão diminuída ou embaçada;
  • Náusea e vômito;
  • Olhos vermelhos;
  • Olhos de aparência inchada.

  • Glaucoma congênita:
  • Nebulosidade na parte frontal do olho;
  • Aumento de um olho ou de ambos os olhos;
  • Olho vermelho;
  • Sensibilidade à luz;
  • Lacrimejamento.

Em casos isolados, algumas pessoas relatam o aumento da pressão nos olhos e a diminuição da visão lateral. 

Com isso é fundamental fazer um acompanhamento com o oftalmologista, com consultas regulares de no mínimo uma vez ao ano (ou a cada seis meses em pacientes com história de glaucoma na família), pois na maioria dos casos o paciente não tem sintomas, é só percebem a doença em casos muito avançados em que a perda de visão é irreversível.

Causas

Essa doença é causada por um aumento de pressão intra-ocular ou alteração do fluxo sanguíneo na cabeça do nervo óptico. Sendo assim é considerada a principal causa da cegueira irreversível no mundo,  isso ocorre por ser um quadro que não apresenta sintomas em grande parte dos casos. Contudo a doença pode estar presente, e a pessoa não a percebe, causando uma piora do quadro, e progressivamente uma lesão irreversível do nervo que, por sua vez, afeta o campo de visão. 

Segundo ao alerta da Organização Mundial da Saúde (OMS), são registrados 2,4 milhões de novos casos de glaucoma anualmente, o que totaliza 60 milhões de pessoas no mundo. Já no Brasil, de acordo com a Sociedade Brasileira de Glaucoma, a doença atinge 2% dos brasileiros acima dos 40 anos, resultando em cerca de um milhão de pessoas. 

Tratamento

O objetivo do tratamento é a redução da pressão ocular. Isso dependendo do tipo de glaucoma, geralmente inclui o uso contínuo de colírios. Em alguns casos, pode ser recomendado que o tratamento seja ao uso de colírios e pílulas que funcionam como agentes de controle para a alta pressão ocular. 

Mas também existem outras opções de tratamento que podem ser usadas diante do estágio da doença, que é o tratamento a laser (em que não precisaria de cirurgia), ou a cirurgia propriamente dita (cirurgia fistulizante para glaucoma).

Cuidado!

A doença não tem cura, apenas tratamento e por isso é fundamental seguir todos os cuidados necessários para ter uma boa qualidade de vida e manter a saúde da visão.

Quanto mais cedo ele for identificado, menos risco há para o nervo ótico.

Nós da Pró-visão oferecemos todos os exames para identificação do glaucoma. Entre em contato conosco e agende sua consulta.