Quais os tipos de Daltonismo que existem?

Compartilhe este artigo com seus amigos e familiares

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Todos pensamos que o modo como vemos é normal e que todos enxergam como nós. Pelo menos é isso que acontece na percepção da cor, o que explica porque o daltonismo passa despercebida por muito tempo em algumas pessoas. 

No artigo de hoje, vamos mostrar os diferentes tipos que existem dessa deficiência visual e, além disso, vamos ver porque ela ocorre.

Porque é que o Daltonismo acontece?

O Daltonismo nada mais é do que uma alteração dos fotorreceptores, células que se encontram na retina. Especialmente dos responsáveis por responder a certas variações de onda, que são as que determinam a cor dos objectos que vemos.

Na maioria dos casos, isto pode ser produzido por causas genéticas. No entanto, a doença de Parkinson, cataratas ou a reação a alguns medicamentos podem desenvolver este problema em olhos que antes eram saudáveis.

Tipos de daltonismo

Vamos à parte mais interessante deste artigo. A seguir, desenvolvemos

uma lista na qual você poderá conhecer os tipos de daltonismo:

  • Acromatopsia: este é um dos tipos mais raros de Daltonismo que existe. Estatisticamente, apenas 1 em cada 100.000 pessoas que desenvolvem a doença terá esta variedade. A Acromatopsia é quando um indivíduo vê a preto e branco sem distinguir nenhuma cor, algo que se deve a problemas neurológicos ou fisiológicos no mesmo olho. Para saber mais sobre esse tipo específico de Daltonismo, acesse o artigo em nosso blog sobre o assunto clicando aqui.
  • Daltonismo Monocromático: Neste tipo de Daltonismo, dos três cones que existem na retina, apenas um deles é sensível, portanto, aqueles que sofrem com ela verão em intensidades diferentes mas da mesma cor e não distinguem nenhum outro.
  • Daltonismo Cromático: esta disfunção é completamente hereditária e é um dos casos mais moderados da condição. Este caso pode ocorrer de três maneiras diferentes. Eles são os seguintes:
  • Protanopia: neste caso, o indivíduo apresenta uma deficiência de um dos tipos de cones, especificamente os chamados cones em L, que são responsáveis pela captura de comprimentos de onda longos. Portanto, estes pacientes confundem vermelho e verde.
  • Deuteranopia: na deuteranopia, a deficiência é das células chamadas cones M, que recolhem a informação dos comprimentos de onda médios. Neste caso, também há confusão entre o vermelho e o verde.
  • Tritanopia: Finalmente, a tritanopia é a menos comum. Neste caso, são os ossos em S, aqueles que recebem a informação dos comprimentos de onda curtos, os que são alterados. Os indivíduos com esta condição terão dificuldade em distinguir o azul do amarelo.

Em resumo, existem vários Tipos de Daltonismo. Alguns podem ser mais limitantes do que outros, embora a verdade seja que, com um bom processo de aprendizagem após o seu diagnóstico, os pacientes podem seguir sua rotina diária de forma adequada e sem limitações.

Diagnosticando o Daltonismo

Como já dissemos, algumas pessoas não sabem que são daltônicos até que tenham que interpretar um mapa ou diagrama. Os problemas de percepção de cores devem ser identificados o mais cedo possível, para garantir qualidade de vida e aprendizado, uma vez que muitas vezes influenciam a aprendizagem das crianças. Quando a condição é diagnosticada na infância, a educação pode ser adaptada à visão da criança.

Os testes de percepção de cor são usados para diagnosticar a cegueira por cor. A principal é o Teste de Ishihara

O teste Ishihara é o teste mais comum para detectar o Daltonismo. O teste consiste em mostrar os slides do paciente com muitos pontos de cores primárias diferentes dispostos em fundos de cores semelhantes. Estes pontos formam números ou caminhos e são os que têm de ser identificados. Neste caso, os pacientes que sofrem de algum tipo de daltonismo não serão capazes de os reconhecer.