Tratamento para a retina e a injeção intra vítrea

Compartilhe este artigo com seus amigos e familiares

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Na oftalmologia, existe um tratamento chamado injeções intravítreas que é utilizado para tratar a degeneração macular e edema macular diabético.

Mas o que são essas injeções?

As injeções intravítreas são usadas para administrar localmente um medicamento. A injeção intravítrea é uma injeção no vítreo, que é a substância gelatinosa dentro do olho. A injeção nada mais é do que inserir  um medicamentos dentro do olho, perto da retina.

E em quais casos isso é feito?

Esses medicamentos são consideradas o tratamento de primeira linha para todos os estágios da degeneração macular úmida. Os medicamentos podem ajudar a cessar o crescimento de novos vasos sanguíneos, bloqueando os efeitos dos sinais de crescimento que o corpo envia para gerar novos vasos sanguíneos.

Antes da intervenção dessas injeções, são necessários gotas de antibióticos alguns dias antes, e a injeção em si é um procedimento curto, pode ser realizado na sala de cirurgia, e é feito com anestesia tópica (gotas), geralmente não produz grande desconforto ao paciente, como é feito com uma agulha muito fina.

O maior risco é infecção ocular, por isso, deve ser feito corretamente, para evitar que isso ocorra.

A eficácia dessas injeções é muito alta. Em 95% dos casos a doença é interrompida, 40% dos pacientes tratados melhoram sua acuidade visual. Geralmente, várias injeções são necessárias para alcançar o efeito desejado.

Mas vamos lá, para exemplificar melhor sobre as injeções e para que servem:

As injeções intravítreas são usadas para administrar esses medicamentos, como mencionamos acima, além de para tratar uma variedade de condições da retina.

A degeneração macular relacionada à idade (DMRI), a retinopatia diabética e oclusão da veia retiniana são as condições mais comuns tratadas com medicamentos intravítreas. Os esteróides intravítreos são usados ​​em alguns olhos com retinopatia diabética, oclusão da veia retiniana e uveíte.

Tais medicamentos e os esteróides ajudam a reduzir o vazamento de fluidos associado a esses distúrbios. Antibióticos, antifúngicos e antivirais também são utilizados ​​para tratar pacientes com infecções oculares, como endoftalmite e retinite.

Em alguns casos específicos, uma injeção é usada para inserir uma pequena bolha de gás para ajudar a reparar um descolamento de retina.

Procedimento:

O procedimento das injeções intravítreas são realizadas no centro cirúrgico, geralmente com o paciente reclinado em uma cadeira. Primeiro, o olho e as pálpebras são anestesiados com gotas ou com um gel para que a injeção não seja muito dolorida. Às vezes, uma pequena injeção anestésica pode ser aplicada.

O olho e as pálpebras são higienizadas, geralmente usando iodopovidona, uma solução amarela que é muito eficaz em matar as bactérias que vivem ao redor dos olhos.

Um espéculo palpebral é freqüentemente usado para manter as pálpebras abertas durante o procedimento. Uma vez que o olho esteja preparado para a injeção, o paciente será solicitado a olhar em uma determinada direção, dependendo da localização da injeção, enquanto o medicamento é injetado através da parte branca do olho, com uma agulha muito pequena.

Normalmente, os pacientes sentem pressão, com pouca ou nenhuma dor durante o procedimento em si. Após a injeção, o espéculo é removido e o olho é novamente higienizado. Todo o processo leva em torno de 10 a 15 minutos.

Segurança e resultados:

Complicações graves são muito raras com injeções intravítreas. Os principais riscos são:

  • Infecção no olho ou endoftalmite;
  • Inflamação no olho;
  • Sangramento no gel vítreo (hemorragia vítrea);
  • Descolamento de retina.

Às vezes pode haver uma pequena hemorragia na superfície do olho onde a agulha entra, mas isso geralmente cura dentro de uma semana.

O médico oftalmologista e especialista em retina pode verificar a pressão intraocular (PIO), ou seja, a pressão dentro do olho, após a injeção. Há um aumento temporário na PIO que geralmente retorna à linha de base em poucos minutos. A PIO pode levar mais tempo para se normalizar em pacientes com glaucoma e precisa ser monitorada.

Consulte o oftalmologista para procedimento como esse.